dijous, 12 de juny de 2014

Comença el mundial


 
Desculpe, Neymar
 
Desculpe, Neymar, / mas nesta Copa eu não torço por vocês. / Estou cansado de assistir ao nosso povo / definhando pouco a pouco / nos programas das TVs. / Enquanto a FIFA se preocupa com padrões, / somos guiados por ladrões / que jogam sujo pra ganhar. / Desculpe, Neymar, / eu não torço desta vez.
 
Parreira, eu vi / aquele tetra fez o povo tão feliz, / mas não seremos verdadeiros campeões / gastando mais de 10 bilhões / pra fazer Copa no país. / Temos estádios lindos e monumentais / enquanto escolas e hospitais / estão à beira de ruir. / Parreira, eu vi / um abismo entre Brasis.
 
Foi mal, Felipão. / Quando Cafu ergueu a taça e exibiu / suas raízes num momento tão solene, / revelou Jardim Irene / um retrato do Brasil. / A primavera prometida não chegou. / A vida vale mais que um gol. / ¿E as melhorias onde estão? / Foi mal, Felipão. / Nossa pátria não floriu.
 
Eu sei, torcedor, / que a minha simples e sincera opinião / não vai fazer você, que ganha e vive mal, / deixar de ir até o final / junto com nossa seleção. / Mesmo sem grana pra pagar o ingresso caro, / nunca vai deixar de amar o / nosso escrete aonde for. / Eu sei, torcedor. / É você quem tem razão.
 
Edu Krieger